Fillipe Mesquita

Fillipe Mesquita

Psicólogo

Belo Horizonte, MG

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (2016) . Especialista em Psicologia Clínica (2020). Foi bolsista PROBIC/FAPEMIG no projeto Futebol e Violência: um estudo sobre conceitualizações de violência no Brasil. Participou de iniciação científica voluntária no projeto Trajetórias de egressos de escola pública, negros e indígenas na UFMG. Foi bolsista de extensão no projeto Trajetórias de egressos de escola pública, negros e indígenas na UFMG em 2015. Atuou como analista social junto ao Programa Central de Acompanhamento de Alternativas Penais de Belo Horizonte (SEJUSP-MG) no período de 2018 a 2020. Mestrando da Linha de Pesquisa em Conceitos Fundamentais em Psicanálise e Investigações no Campo Clínico e Cultural pelo Programa de Pós Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Minas Gerais.

Continuar lendo

Acadêmico

Formação acadêmica

Mestrado em Conceitos Fundamentais em Psicanálise e Investigações no Campo Clínico e Cultural

2021 - Atual

Universidade Federal de Minas Gerais
Orientador: Gilson de Paulo Moreira Iannini
Em curso.

Especialização em Clínica Psicanalítica na atualidade: contribuições de Freud a Lacan

2019 - 2020

Pontifíca Universidade Católica de Minas Gerais

Graduação em Psicologia

2011 - 2016

Universidade Federal de Minas Gerais
Ênfase em Processos Psicossociais

Graduação interrompida em 2010 em Ciências Biológicas

2010 - Interrompido

Universidade Federal de Lavras
Ano de interrupção: 2010

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Formação complementar

2014 - 2014

Deutsch lernen in Deutschland - Sprache, Land.... (Carga horária: 120h). , Institut für Sprachen.

2013 - 2013

Psicodrama para Universitários. (Carga horária: 24h). , Instituto Mineiro de Psicodrama.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Idiomas

Bandeira representando o idioma Inglês

Compreende Bem, Fala Razoavelmente, Lê Bem, Escreve Razoavelmente.

Bandeira representando o idioma Espanhol

Compreende Bem, Fala Razoavelmente, Lê Bem, Escreve Pouco.

Bandeira representando o idioma Alemão

Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Participação em eventos

XIX Encontro Regional da ABRAPSO Minas.Uma conversa sobre ensino superior, assistência estudantil e democratização: limites e possibilidades para uma nova universidade. 2014. (Encontro).

XIX Encontro Regional da ABRAPSO Minas.Recepção Afirmativa: fortalecendo trajetórias e propondo alternativas. 2014. (Encontro).

XXII SEMANA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA da UFMG."TRAJETÓRIAS DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DE CAMADAS POPULARES: UMA REVISÃO DA PRODUÇÃO BIBLIOGRÁFICA NO BRASIL. 2013. (Outra).

XVI Encontro de Extensão."Trajetórias de egressos de escola pública, negros, indígenas. 2013. (Outra).

"Amor?". 2012. (Seminário).

Fenomenologia e a complexidade da experiência humana: Contribuições de Dilthey, Husserl e Heidegger. 2012. (Outra).

XX Jornada de Jovens Pesquisadores.Futebol e violência em Minas Gerais. 2012. (Outra).

XXI Semana de Iniciação Científica.Futebol e violência em Minas Gerais. 2012. (Outra).

III Simpósio de Pesquisas do Projeto CAVAS: o papel social das universidades no enfrentamento à violência sexual infantojuvenil. 2011. (Simpósio).

Oficina de Psicodrama. 2011. (Oficina).

Citogenética Evolutiva de Mamíferos. 2010. (Seminário).

Anfíbios Anuros Neotropicais: Biologia e Conservação. 2010. (Oficina).

XXI Encontro Regional dos Estudantes de Biologia - SE. 2010. (Encontro).

Divulgação científica como Ferramenta para conservação da biodiversidade. 2010. (Outra).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Foi orientado por

Danielle Ferreira de Magalhães Soares

SAÚDE E AMBIENTE: INTERVENÇÕES NO AMBIENTE URBANO NO CONTEXTO DA REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE; 2013; Iniciação Científica; (Graduando em Psicologia) - Universidade Federal de Minas Gerais, Ministério da Saúde; Orientador: Danielle Ferreira de Magalhães Soares;

Gilson de Paulo Moreira Iannini

Infamiliar "realidade": da escrita freudiana em das Unheimliche à hipótese do infamiliar generalizado; Início: 2021; Dissertação (Mestrado profissional em Psicologia) - Universidade Federal de Minas Gerais; (Orientador);

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Produções bibliográficas

  • MESQUITA, F. D. ; MAYORGA, Claudia . Uma conversa sobre ensino superior, assistência estudantil e democratização: limites e possibilidades para uma nova universidade. 2014. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

  • MESQUITA, F. D. ; MAYORGA, Claudia . Recepção Afirmativa: fortalecendo trajetórias e propondo alternativas. 2014. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

  • MESQUITA, F. D. ; FERREIRA, L. C. . Futebol e violência em Minas Gerais. 2012. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

  • MESQUITA, F. D. ; FERREIRA, L. C. ; DIAS, V. R. . Futebol e violência em Minas Gerais. 2012. (Apresentação de Trabalho/Outra).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Outras produções

MESQUITA, F. D. ; Workshop: Introdução ao Psicodrama. 2015. .

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Projetos de pesquisa

  • 2013 - 2013

    Trajetórias de egressos de escola pública, negros e indígenas na UFMG, Descrição: Descrição: A Lei nº 12.711/2012, sancionada em agosto deste ano, garante a reserva de 50% das matrículas por curso e turno nas 59 universidades federais e 38 institutos federais de educação, ciência e tecnologia a alunos oriundos integralmente do ensino médio público, em cursos regulares ou da educação de jovens e adultos. A partir dessa legislação as universidade federais se veem compromissadas com o ingresso e permanência de estudantes negros, indígenas e egressos de escolas públicas. Nesse sentido a presente pesquisa tem como objetivo mapear as trajetórias desses estudantes no sentido de visibilizar suas estrategias de permanência e vislumbrar as políticas e transformações do espaço acadêmico necessárias a real implementação da política nacional de cotas.. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (3) . , Integrantes: Fillipe Doria de Mesquita - Integrante / Luciana Maria de Souza - Integrante / Claudia Mayorga - Coordenador.

  • 2011 - 2012

    Futebol e Violência: um estudo sobre conceitualizações de violência no Brasil, Descrição: Este projeto busca um maior entendimento a respeito da emergência e constituição da linguagem figurada utilizada na mídia ao se falar sobre violência no futebol no Brasil. Além disso, estamos interessados em identificar que representações sócio-cognitivas parecem estruturar a linguagem figurada utilizada ao conceitualizar a violência no futebol. Para cumprir este objetivo, usamos como aporte teórico a Teoria da Metáfora Conceitual (LAKOFF;JOHNSON,1980,1999; GRADY,1997;LAKOFF, 1987,1993), assim como aplicações da teoria dos sistemas dinâmicos, relevantes no campo das ciências humanas e sociais (psicolingüística, lingüística cognitiva e aplicada, psicologia cognitiva, desenvolvimental e social) (CAMERON,2003, 2009) na identificação e análise de metáforas que emergem na mídia sobre violência no futebol a partir das conceitualizações compartilhadas por indivíduos e comunidades, a respeito de sentimentos de insegurança gerados por atos de violência. Pretendemos analisar as metáforas emergentes no discurso da mídia com base na teoria dos sistemas dinâmicos complexos, o que nos possibilitará refletir a respeito dos modos como brasileiros encaram situações de violência no futebol e o tipo de linguagem figurada que utilizam tanto para conceitualizar violência como para demonstrar atitudes de empatia ou sua ausência para com atacantes reais ou em potencial.. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (2) . , Integrantes: Fillipe Doria de Mesquita - Integrante / Luciane Corrêa Ferreira - Coordenador / Vítor Rodrigo Dias - Integrante., Financiador(es): Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais - Bolsa.

Histórico profissional

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Experiência profissional

2011 - Atual

Universidade Federal de Minas Gerais

Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Pesquisador, Carga horária: 20